Folha de São Paulo afirma ‘Setor de papel perde mercado para fraudes’, com base nos dados e estatísticas da matéria podemos afirmar sem dúvidas que a fiscalização apertará o cerco no próximo semestre

MPO consultoria papel imune
1ª Turma concede habeas corpus a empresário condenado por crime tributário
4 de maio de 2013
MPO consultoria papel imune
PIS e Cofins não incidem sobre transferência de créditos de ICMS de exportadores
23 de maio de 2013

Folha de São Paulo afirma ‘Setor de papel perde mercado para fraudes’, com base nos dados e estatísticas da matéria podemos afirmar sem dúvidas que a fiscalização apertará o cerco no próximo semestre

MPO consultoria papel imune
O excesso de papel nos países desenvolvidos agravou um problema antigo da indústria brasileira: as fraudes no mercado de papel imune.

Destinado à impressão de livros, jornais e periódicos, o papel imune é isento de impostos. Tem consumo nacional estimado em 500 mil toneladas por ano pela Bracelpa (Associação Brasileira de Celulose e Papel). Mas só as importações somam cerca de 600 mil toneladas ao ano.

Considerando as vendas da indústria nacional, a oferta de papel imune é de 1,1 milhão de toneladas por ano -mais que o dobro do consumo.

“Essa diferença são papéis declarados como imunes e que entram no mercado como papel comum, mas a um preço muito inferior à média porque não pagaram impostos”, diz Elizabeth de Carvalhaes, presidente da Bracelpa.

A diferença na carga tributária do papel imune e do comum é de 35 pontos percentuais. Logo, na venda de US$ 1.000, o papel objeto de fraude fica US$ 350 mais barato.

Devido à concorrência desleal, a japonesa Oji Papéis e a finlandesa Ahlstrom interromperam a produção de papel cuchê no Brasil.

“O problema não é novo, mas estamos em um cenário de filme de terror. A indústria brasileira já perdeu 58% do mercado para o crime”, diz Carvalhaes. Em 2012, 600 mil toneladas de papel foram vendidas após passarem por fraudes, estima a Bracelpa, alta de 6% em relação a 2011.

Desde a crise de 2008, o cenário vem se agravando. A queda na demanda nos países desenvolvidos provocou excesso de oferta nas regiões produtoras, como Europa e China, que se voltaram para a América Latina, onde o consumo de papel para imprimir e escrever cresce 4% ao ano.

Com o maior protecionismo no mundo e a brecha para fraudes no Brasil, as importações de papel imune subiram cerca de 50% desde 2007, segundo a Bracelpa.

“É preciso uma fiscalização eficiente para que todos -fabricantes nacionais e importadores- possam conviver”, diz Geraldo Ferreira, representante no Brasil da APP, fabricante chinesa de papel.

A Bracelpa calcula que as fraudes provocam uma perda de arrecadação de R$ 500 milhões ao ano. A Receita Federal e a Secretaria da Fazenda de São Paulo, porém, dizem não ter estimativas.

.

Fonte: Folha de São Paulo

 

mpo
mpo

Comments are closed.